domingo, 27 de janeiro de 2008

Sobre a liberdade de pesquisar

Vários dos principais pesquisadores em Neurociência do Comportamento do país, pertencentes à UFRGS e a PUCRS, elaboraram um projeto de pesquisa que visa estudar aspectos do funcionamento cerebral que possam estar relacionados à violência. Haja visto a enorme incidência desta no Brasil, sabidamente um dos países mais violentos do mundo, e o fato de que a Neurociência estudou durante décadas os mecanismos cerebrais vinculados com a violência em animais, o projeto é sem dúvida de grande interesse. O projeto visa também avaliar a participação de aspectos sociais e socioeconômicos na violência no País.

Chama poderosamente a atenção que um reduzido grupo de sociólogos e psicólogos (101 pessoas ao todo) não vinculados à atividade científica tenha emitido publicamente uma forte opinião contrária à realização desse projeto. No melhor estilo da censura prévia da Espanha da Inquisição, da Alemanha de Hitler, da Rússia de Stalin, ou da Romênia de Ceausescu. Se opõem ao projeto em si, e algum deles promete exercer essa oposição “ao nível que for preciso”: jurídico, etc. Alegam que o projeto é elitista, talvez porque na sua fase inicial estudará internos da Fase –ex-Febem. Não comentam o fato de que o mesmo prevê o estudo de outros indivíduos numa fase seguinte, inclusive “filhinhos de papai”. Alegam que é “triste a universidade que ainda se mobiliza para esse tipo de estudo”, ignorando que é justamente a função dela realizá-los; duas universidades, neste caso. Certamente não é função dos leigos opinar sobre o assunto sem ter base para tanto. Os 101 assinantes prevêm conclusões fatídicas desse estudo, que não foi ainda sequer começado. Não o leram em detalhe, porque se o tivessem feito, teriam percebido que o projeto prevê estudos sociológicos e socioeconômicos também, em paralelo.

Este é um momento em que parece renascer o obscurantismo no Brasil que julgávamos desaparecido com a implantação da República. Ao mesmo tempo em que não-cientistas emitem virulentas declarações sobre ciência, como esta dos 101 assinantes mencionada acima, surgem grupos de anti-viviseccionistas, grupos de opositores ao uso de fármacos ou vacinas para o tratamento das doenças, etc.

Felizmente, a reação da grande imprensa a essas críticas desvairadas e amadorísticas foi rápida no caso do projeto do estudo da violência. A imprensa percebeu que aqui, no caso de um problema de tanta importância, o certo não é proibir “a priori” aquilo que se desconhece, senão investigá-lo. Quanto mais o façam, melhor será a possibilidade da procura de soluções, a diversos níveis.

Espero que o projeto dos Prof. Jaderson da Costa (PUCRS) e Renato Zamora Flores (UFRGS), e do Secretário de Saúde do Estado do RS, Osmar Terra, seja bem sucedido. Trará luz a um problema que deve ser abordado de muitos ângulos, e só assim encontrará solução alguma vez. Evidentemente, já que o cérebro é o órgão que organiza, decide e comanda os atos de violência, é útil saber como o faz. Jogar uma ideologia encima de semelhante problema será simples, mas não tem trazido resultados até agora; nem no Brasil nem em parte alguma do mundo.

Prof. Dr. Ivan Antonio Izquierdo
Centro de Memória, PUCRS,
Academia Brasileira de Ciências

Nenhum comentário: